Saúde Pública

Tanto a saúde como a doença encerram problemas que a Saúde Pública trata de resolver. Além de conservar e melhorar a saúde, a Saúde Pública se encarrega de prevenir a doença, orientando não apenas o homem doente, mas também o homem são e investigando as causas das doenças que existem no ambiente que o rodeia.

Saúde Pública: é a ciência e a arte de promover, proteger e recuperar a saúde, através de medidas de alcance coletivo e de motivação da população.

À Saúde Pública cumpre principalmente as funções de educar e prevenir.

A Saúde Pública tem como colaboradores principais :

  • a medicina preventiva e social, e
  • saneamento do meio.

Saneamento do Meio pode ser definido como o "controle de todos os fatores do meio físico do Homem que exercem ou podem exercer efeito deletério sobre seu bem-estar físico, mental e social" .
           (Organização Mundial de Saúde)

Um dos objetivos do Saneamento do Meio são :

  • Abastecimento de água.
  • Coleta e disposição de águas residuárias(esgotos sanitários, resíduos líquidos industriais, águas pluviais ).

A expressão Saneamento Básico é reconhecida no Brasil, no estágio atual, como a parte do Saneamento do Meio que trata de problemas que dizem respeito ao abastecimento de água, à coleta e disposição dos esgotos sanitários, incluindo os resíduos líquidos industriais, ao controle da poluição por esses esgotos e, devido à explosão urbana em alguns centros, também à drenagem urbana ( águas pluviais ) e ao acondicionamento, coleta, transporte e destino dos resíduos sólidos.

Saneamento Básico:  é a condição essencial para o bem-estar humano, oferecendo situações de produtividade e melhor atuação na vida em sociedade.

Convém salientar o significado econômico dos serviços e obras que se realizam no campo do Saneamento Básico, sob dois aspectos ligados às características do líquido como se apresenta:

  • em primeiro lugar, a disponibilidade de uma matéria-prima essencial na atividade humana, que é a água, em condições de ser utilizada. Significa água aproveitável com custo econômico adequado aos processos produtivos e no oferecimento às populações para as quais satisfaz uma necessidade primária de vida;
  • em segundo lugar, como conseqüência do seu uso, a água não passa a ser um simples resíduo rejeitado e abandonado na natureza; e isso porque, situando-se na faixa de recurso natural escasso, a sua utilização posterior tem de ser obrigatoriamente levada em conta, resultando, assim, o controle da poluição e a necessidade de dar um destino final adequado às águas residuárias.

FONTE – Philippi Júnior, Arlindo, org. – Saneamento do Meio, São Paulo, Fundacentro.